Portal da Cidade Igrejinha

EDUCAÇÃO

A Educação exige debates sérios e transparentes

A atual falta de projeto e de preparo técnico gera um alto custo para o futuro.

Postado em 04/05/2019 às 16:10 |

Não é o anúncio de contingenciamento de recursos em instituições federais de ensino o pior que o governo federal tem a apresentar na área da Educação neste início de 2019 – embora por si só ele já seja extremamente preocupante, pelos montantes que envolvem. O sistema de financiamento e custeio dessas instituições pode sim ser discutido, desde que de forma responsável e transparente. O retorno que as atividades acadêmicas dão ao país também não deve ser assunto proibido de debate, desde que feito com a seriedade técnica que o tema exige.

O pior que este governo tem a apresentar – e nisso ele não difere dos inúmeros outros que o antecederam – é a dificuldade em enxergar na Educação o único caminho para o desenvolvimento sólido do país a médio e longo prazo. A grande maioria das medidas tomadas nesse segmento – desde as populistas que injetaram bilhões no ensino superior sem se preocupar com a Educação Básica, até os inacreditáveis cortes de recursos anunciados abruptamente – todas essas ações mal escondem a falta de projeto e de preparo técnico para a gestão de uma Pasta de tamanha importância.

Seguimos ignorando a receita adotada pelos países desenvolvidos. No Brasil não se investe em Educação com a desculpa de que o país tem recursos escassos, negando-se a obviedade de que uma nação que não investe em Educação jamais será desenvolvida a ponto de ter recursos financeiros sobrando. Quando se investe, não há critério técnico e são esperados resultados mágicos da noite para o dia.

Não existe atalho para o desenvolvimento social e econômico. Ele se forja um pouco a cada dia, de modo quase imperceptível, nas fileiras das classes da Educação Básica. Nas escolas de qualidade que oferecem ensino médio técnico, profissionalizante, ou simplesmente em consonância com as habilidades que o mundo real exige. Nas universidades e centros acadêmicos que privilegiam a pesquisa e a inovação como motores do desenvolvimento de uma região.

Enquanto nós, como sociedade, não compreendermos isso, estamos perdendo um tempo precioso. E desperdiçando o futuro.

Luís Felipe Loro | Igrejinha/RS

Sobre o Autor

Professor de Língua Portuguesa, com Graduação em Letras pela Universidade Feevale, e especialização em Formação de Leitores pela Faculdade Dom Bosco.

Luís Felipe Loro | Igrejinha/RS


Fonte:

Deixe seu comentário