Portal da Cidade Igrejinha

EDUCAÇÃO

Calendário letivo pode ser flexibilizado em função do Coronavírus

Modalidade a distância é uma das soluções para minimizar os prejuízos.

Postado em 23/03/2020 às 09:30 |

(Foto: Divulgação)

Um dos cenários mais tristes que podem existir tornou-se comum nos últimos dias no mundo inteiro: as salas de aula estão vazias. A quarentena é necessária para minimizar a trajetória de contágio do Covid-19, mas traz insegurança a todos, pois não se sabe ainda qual será a sua duração e qual será a dimensão dos impactos gerados na sociedade por esse período sem precedentes na história recente.

A verdade é que esta geração não foi preparada para enfrentar situações como essa, o que torna o processo ainda mais complexo. No âmbito da Educação Básica, algumas redes de ensino têm disponibilizado aulas e atividades na modalidade EAD, garantindo assim a continuidade da sequência didática. É, sem dúvidas, uma medida criativa e eficaz em um primeiro momento, mas que não pode ser adotada a longo prazo, já que a interação e o convívio entre colegas é fator essencial para o desenvolvimento dos educandos nos ensinos fundamental e médio.

Na legislação nacional, a Lei de Diretrizes e Bases determina a obrigatoriedade do cumprimento mínimo anual de 200 dias letivos e 800 horas de aula. Contudo, o texto da lei prevê também a possibilidade de adaptações no calendário escolar, “considerando peculiaridades locais ou climáticas”. Naturalmente, o caso de uma pandemia infectocontagiosa (como a Covid-19) trata-se de uma peculiaridade absolutamente excepcional, o que abre margem para que a obrigatoriedade dos 200 dias possa ser anulada, caso haja determinação das secretarias estaduais e municipais de Educação e anuência do Ministério da Educação.

Como em qualquer crise, não há como evitar que existam danos, mas é essencial que saibamos minimizá-los, sem gerar um estresse ainda maior no momento do retorno às aulas, impondo a docentes e estudantes um calendário extenuante de recuperações de aula, justamente em um momento no qual o país estará se reestabelecendo do trauma do que se avizinha. Será necessário bom senso por parte dos gestores e sensibilidade por parte dos professores para compreender que garantir que as habilidades e competências previstas para o ano sejam abordadas é mais importante do que simplesmente fazer com que a carga horária estabelecida em lei seja cumprida. A Educação brasileira já errou demais nas suas abordagens por não saber priorizar o que realmente importa. Não há mais margem para erro.

Luís Felipe Loro |  Professor de Língua Portuguesa e Literatura | Igrejinha/RS

Sobre o Autor

Professor de Língua Portuguesa, com Graduação em Letras pela Universidade Feevale, e pós-graduação em Formação de Leitores pela Faculdade Internacional Signorelli. É especialista em Gestão Pública pela Universidade Católica Dom Bosco e diretor do Instituto Desenvolver.

Luís Felipe Loro | Professor de Língua Portuguesa e Literatura | Igrejinha/RS


Qual sua especialidade?

Publique seu conteúdo aqui na editoria Papo de Especialista do Portal da Cidade.
Ligue ou fale conosco pelo WhatsApp: (51) 98477-0507.


Todas as informações e opiniões contidas neste artigo, seja em texto ou em vídeo, são de total responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, as posições do Portal da Cidade.

Fonte:

Deixe seu comentário