Portal da Cidade Igrejinha

REINVENTAR-SE

A hora zero da Educação no século 21

Suspensão prolongada das aulas é oportunidade para as redes de ensino romperem paradigmas.

Postado em 06/04/2020 às 10:00 |

(Foto: Divulgação)

Escrevi há alguns dias sobre o desafio de enfrentarmos uma pandemia global, situação para a qual esta geração não foi preparada e sem precedentes nas últimas décadas. Da noite para o dia, os sistemas educacionais viram-se obrigados a reinventar metodologias, modificar meios de interação e conviver com a incerteza sobre a normalização das atividades.

Apesar de algumas previsões indicarem o ensino a distância como o futuro da Educação, acredito que na educação básica essa modalidade jamais poderá substituir o ensino presencial. A interação contínua e a dinâmica social do ambiente escolar são fatores indispensáveis na formação dos estudantes. No entanto, é importante destacar que o ensino já deveria estar sendo complementado há muito tempo por essa modalidade, tendo em vista toda a gama de possibilidades que ela oferece.

Nos últimos anos, a nossa sociedade foi se tornando mais ágil, dinâmica e conectada. Esse é o retrato das primeiras décadas do século 21. A Educação precisa mostrar que está alinhada à dinâmica social e que prepara cidadãos para o mundo real. Nessa nova concepção, alunos são partícipes ativos do processo de aprendizagem, devem ser preparados para resolver problemas concretos de forma autônoma, sabendo se posicionar utilizando pensamento científico, crítico e criativo. O começo dessa guinada é a maior atenção que as instituições de ensino tem dado para a produção de projetos de iniciação científica.

Para a Escola entrar de fato no século 21, a barreira da difusão da cultura digital ainda precisa ser vencida. Ainda há um número de laboratórios de informática longe do ideal, e faltam profissionais com formação específica na área para orientar os alunos no Brasil. Os estudantes dos anos finais, que dominam a utilização de aplicativos de jogos e redes sociais, em sua maioria, apresentam dificuldades para utilizar recursos simples como um editor de textos.

A suspensão prolongada das aulas devido à quarentena pode ser uma oportunidade para as redes de ensino romperem paradigmas e refletirmos sobre pontos importantes relacionados ao uso da internet no cotidiano escolar. Alguns desafios-chave precisam ser superados: qualificação dos profissionais de educação, universalização do acesso, qualidade das conexões, formas de avaliar a evolução dos alunos e de mensurar a qualidade do ensino nos meios digitais. 

É apenas por meio da superação desses desafios que a Educação no Brasil pode enfim romper as amarras que ainda tornam a sala de aula tão parecida com a dos séculos anteriores. É a hora zero da Educação no século 21, imposta pela necessidade de adaptação a uma nova realidade.

Luís Felipe Loro | Professor de Língua Portuguesa e Literatura | Igrejinha/RS

Sobre o Autor

Professor de Língua Portuguesa, com Graduação em Letras pela Universidade Feevale, e pós-graduação em Formação de Leitores pela Faculdade Internacional Signorelli. É especialista em Gestão Pública pela Universidade Católica Dom Bosco e diretor do Instituto Desenvolver.

Luís Felipe Loro | Professor de Língua Portuguesa e Literatura | Igrejinha/RS


Qual sua especialidade?

Publique seu conteúdo aqui na editoria Papo de Especialista do Portal da Cidade.

Ligue ou fale conosco pelo WhatsApp: (51) 98477-0507.


Todas as informações e opiniões contidas neste artigo, seja em texto ou em vídeo, são de total responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, as posições do Portal da Cidade.

Fonte:

Deixe seu comentário